• 15 M DIA DE LUTA

    Sou professor há vinte anos.   Perdi as contas da quantidade de disciplinas que lecionei, de provas que corrigi, de aulas que dei, de livros que li e de pessoas […]

    Leia mais
  • Cenas de uma loucura hermenêutica

      No meu tempo de adolescente (ou seja… no final do século passado) meus amigos trotskistas costumavam a contar uma piada bem curiosa sobre o período dos grandes expurgos do […]

    Leia mais
  • Contra quem eles atiram?

      Era de se esperar que isso fosse acontecer. Pela minha TL começam a desfilar uma série de depoimentos, reportagens, declarações e artigos que mostram que começamos a fazer a […]

    Leia mais
  • A eleição do não

      Parece sempre mais forte no Brasil a ideia hegeliana  de que os conteúdos não superados da história tendem a se repetir. Já tivemos Jânio, com suas vassouras; Collor o inesquecível […]

    Leia mais
  • Dançando na beira do abismo

      Uma semana após o atentado a faca sofrido pelo Deputado Jair Bolsonaro, a gente já sabe que o maluco que o esfaqueou ouvia a voz de Deus. Por isso, […]

    Leia mais
  • Pablo Capistrano
  • 18 de maio de 2012, as 5h05

Uma dos ensinamentos de Martin Heidegger em Ser e Tempo é que a compreensão vem antes da interpretação.

 

 

O que ele quis dizer com isso?

 

 

Ele mostrou que antes de entendermos algo, já temos uma precompreensão daquilo que lemos. Essa precompreensão é nossa forma ativa de interferir no texto do outro. Emprestamos ao que lemos nossa base, nossa pre-estrutura existencial, nosso lugar no mundo; e muitas vezes caímos na ilusão de que realmente há algo de puramente objetivo no texto alheio. Como se ele fosse uma janela por meio do qual vemos a alma do autor.

 

 

O que Heidegger nos ensina é que todo texto é um espelho, no qual nos vemos refletidos. Uma imagem informe, às vezes estranha e bizarra, de nosso próprio rosto pelas frestas da linguagem que o outro manipula.

 

 

Interpretar seria entender a natureza dessa imagem.

 

Interpretar seria descobrir, em meio ao espanto e ao susto, que muitas vezes projetamos sobre o discurso do outro, a nossa própria experiência de mundo, o nosso próprio lugar.

Um espaço confortável do qual pensamos sermos capazes de julgar o mundo, sem notar que somos nós, o objeto de nosso próprio julgamento.

 

Mas então, se é assim, como eu posso responder a pergunta que aparece no começo desse fragmento?

“o que ele quis dizer com isso?”  não se responde porque não é uma pergunta que se possa enunciar.

O que se enuncia e se busca responder é  “o que eu quis ler com isso?”


Um Comentário para “Compreensão e interpretação”


  1. Ótima reflexão!

Deixe seu comentário

2007 ® Pablo Capistrano

dz3