• Cenas de uma loucura hermenêutica

      No meu tempo de adolescente (ou seja… no final do século passado) meus amigos trotskistas costumavam a contar uma piada bem curiosa sobre o período dos grandes expurgos do […]

    Leia mais
  • Contra quem eles atiram?

      Era de se esperar que isso fosse acontecer. Pela minha TL começam a desfilar uma série de depoimentos, reportagens, declarações e artigos que mostram que começamos a fazer a […]

    Leia mais
  • A eleição do não

      Parece sempre mais forte no Brasil a ideia hegeliana  de que os conteúdos não superados da história tendem a se repetir. Já tivemos Jânio, com suas vassouras; Collor o inesquecível […]

    Leia mais
  • Dançando na beira do abismo

      Uma semana após o atentado a faca sofrido pelo Deputado Jair Bolsonaro, a gente já sabe que o maluco que o esfaqueou ouvia a voz de Deus. Por isso, […]

    Leia mais
  • Quando a memória pega fogo

      Em 1999 eu viajei à Grécia. Era meu último ano no curso de filosofia da UFRN e queria conhecer in loco a terra em que Sócrates, Platão e Aristóteles teriam andado, […]

    Leia mais
  • Pablo Capistrano
  • 24 de dezembro de 2012, as 6h06
  1. Definitivamente não me adapto ao livro digital


Se ler é algo que acontece no corpo, ler um livro digital é como fazer sexo com camisinha: anestesia o apelo erótico da linguagem.

 

No pergaminho, no papiro, na pedra ou no papel o texto se expõe.

 

É como se fosse possível tocar nas palavras com a ponta dos dedos.


Um Comentário para “O apelo erótico da linguagem”

  1. Daniel Torres Rodrigues11/6/2013 às 15:37

    muito bom!

Deixe seu comentário

2007 ® Pablo Capistrano

dz3