• Contra quem eles atiram?

      Era de se esperar que isso fosse acontecer. Pela minha TL começam a desfilar uma série de depoimentos, reportagens, declarações e artigos que mostram que começamos a fazer a […]

    Leia mais
  • A eleição do não

      Parece sempre mais forte no Brasil a ideia hegeliana  de que os conteúdos não superados da história tendem a se repetir. Já tivemos Jânio, com suas vassouras; Collor o inesquecível […]

    Leia mais
  • Dançando na beira do abismo

      Uma semana após o atentado a faca sofrido pelo Deputado Jair Bolsonaro, a gente já sabe que o maluco que o esfaqueou ouvia a voz de Deus. Por isso, […]

    Leia mais
  • Quando a memória pega fogo

      Em 1999 eu viajei à Grécia. Era meu último ano no curso de filosofia da UFRN e queria conhecer in loco a terra em que Sócrates, Platão e Aristóteles teriam andado, […]

    Leia mais
  • O Diabo do Mercado

        Poucas coisas são mais embaraçosas na contemporaneidade, para um liberal raiz  do que a China. Explicar como é possível que o país que parece administrar de modo mais […]

    Leia mais
  • Pablo Capistrano
  • 31 de dezembro de 2012, as 6h06

 

Todas as festas que virão

 

 

E que roupa usará a pobre moça

Em todas as festas que virão?

Um vestido em farrapos

de não se sabe onde

Para todas as festas que virão.

E pra onde ela vai

E o que fará

Quando a meia noite chegar?

Vai mais uma vez

Virar um palhaço triste de Domingo

E chorar atrás da porta.

 

 

E que roupa usará a pobre moça

Em todas as festas que virão?

Por que a seda e o linho dos longos vestidos já usados

Para todas as festas que virão?

E o que ela vai fazer

Com os trapos que sobrarão na Terça Feira

Quando a segunda chegar?

Vai mais uma vez

virar um palhaço triste de Domingo

e chorar atrás da porta.

 

 

E que roupa usará a pobre moça

Em todas as festas que virão?

Para cada garotinha de quinta-feira

Há um palhaço triste de Domingo

Por quem ninguém se lamenta

 

 

Uma mortalha tingida de negro

Outro vestido longo aos farrapos

Um traje de trapos e seda

Perfeito para quem senta e chora

Por todas as festas que virão

 

 

Música: Velvet Underground & Nico

Letra: Lou Reed

Tradução: Pablo Capistrano

 

 

 

All Tomorrow’s Parties

And what costume shall the poor girl wear

To all tomorrow’s parties

A hand-me-down dress from who knows where

To all tomorrow’s parties

And where will she go, and what shall she do

When midnight comes around

She’ll turn once more to Sunday’s clown and cry behind the door

 

And what costume shall the poor girl wear

To all tomorrow’s parties

Why silks and linens of yesterday’s gowns

To all tomorrow’s parties

And what will she do with Thursday’s rags

When Monday comes around

She’ll turn once more to Sunday’s clown and cry behind the door

 

And what costume shall the poor girl wear

To all tomorrow’s parties

For Thursday’s child is Sunday’s clown

For whom none will go mourning

 

A blackened shroud

A hand-me-down gown

Of rags and silks – a costume

Fit for one who sits and cries

For all tomorrow’s parties


Deixe seu comentário

2007 ® Pablo Capistrano

dz3