• Cenas de uma loucura hermenêutica

      No meu tempo de adolescente (ou seja… no final do século passado) meus amigos trotskistas costumavam a contar uma piada bem curiosa sobre o período dos grandes expurgos do […]

    Leia mais
  • Contra quem eles atiram?

      Era de se esperar que isso fosse acontecer. Pela minha TL começam a desfilar uma série de depoimentos, reportagens, declarações e artigos que mostram que começamos a fazer a […]

    Leia mais
  • A eleição do não

      Parece sempre mais forte no Brasil a ideia hegeliana  de que os conteúdos não superados da história tendem a se repetir. Já tivemos Jânio, com suas vassouras; Collor o inesquecível […]

    Leia mais
  • Dançando na beira do abismo

      Uma semana após o atentado a faca sofrido pelo Deputado Jair Bolsonaro, a gente já sabe que o maluco que o esfaqueou ouvia a voz de Deus. Por isso, […]

    Leia mais
  • Quando a memória pega fogo

      Em 1999 eu viajei à Grécia. Era meu último ano no curso de filosofia da UFRN e queria conhecer in loco a terra em que Sócrates, Platão e Aristóteles teriam andado, […]

    Leia mais
  • Pablo Capistrano
  • 14 de julho de 2013, as 14h14

 

 

O poder político deve estar com a multidão, lembrem de Aristóteles, amiguinhos:

 

 

“Isso porque os muitos, dentre os quais nem todo individuo é um bom homem, quando se unem, podem ser melhores do que os poucos bons, se considerados não individualmente, mas coletivamente, da mesma maneira que um banquete para o qual muitos contribuem é melhor que um jantar pago por uma única bolsa. Pois cada individuo dentre os muitos tem uma parcela de excelência e sabedoria, de certa maneira, um só homem, com muitos pés, mãos e sentidos, assim também é no que diz respeito ao seu caráter e pensamento. portanto, os muitos são melhores juízes de música e poesia que um único homem, pois alguns entendem uma parte, outros entendem outra, e, entre si, entendem o todo”

 

Aristóteles, A Política.


Deixe seu comentário

2007 ® Pablo Capistrano

dz3