• Nosso Problema Com Cascudo

    A ideia de derrubar estátuas parece que chegou a Natal e a imagem de Cascudo no memorial que leva seu nome, na Cidade Alta, apareceu como candidata a degola. Mas […]

    Leia mais
  • Zeitgeist

      Sento em um presente que não me atravessa   desse silêncio que me sopra às costas escuto os cemitérios do futuro   depois de toda essa jornada, barqueiro, chegar […]

    Leia mais
  • deus palhaço

    deus é artesão trabalha com barro   sim eu sei ele morreu nós o matamos   mas sua sombra coloniza qualquer mundo que a gente tente construir   deus é […]

    Leia mais
  • As hienas de Seu Jair (papo de quinta)

    Existem duas hipóteses, que não são excludentes, para explicar o caos permanente em que o presidente  brasileiro e sua família mantém o governo e o país.     Depois de postar […]

    Leia mais
  • De Novo: O Chile (Papo de Domingo)

    Quando a barra pesou mesmo aqui pelo Brasil, depois do AI-5, era o Chile que parecia trazer esperança de que o cerco de chumbo na América Latina poderia ser enfrentado. […]

    Leia mais
  • Pablo Capistrano
  • 14 de julho de 2013, as 14h14

 

 

O poder político deve estar com a multidão, lembrem de Aristóteles, amiguinhos:

 

 

“Isso porque os muitos, dentre os quais nem todo individuo é um bom homem, quando se unem, podem ser melhores do que os poucos bons, se considerados não individualmente, mas coletivamente, da mesma maneira que um banquete para o qual muitos contribuem é melhor que um jantar pago por uma única bolsa. Pois cada individuo dentre os muitos tem uma parcela de excelência e sabedoria, de certa maneira, um só homem, com muitos pés, mãos e sentidos, assim também é no que diz respeito ao seu caráter e pensamento. portanto, os muitos são melhores juízes de música e poesia que um único homem, pois alguns entendem uma parte, outros entendem outra, e, entre si, entendem o todo”

 

Aristóteles, A Política.


Deixe seu comentário

2007 ® Pablo Capistrano

dz3