• Nosso Problema Com Cascudo

    A ideia de derrubar estátuas parece que chegou a Natal e a imagem de Cascudo no memorial que leva seu nome, na Cidade Alta, apareceu como candidata a degola. Mas […]

    Leia mais
  • Zeitgeist

      Sento em um presente que não me atravessa   desse silêncio que me sopra às costas escuto os cemitérios do futuro   depois de toda essa jornada, barqueiro, chegar […]

    Leia mais
  • deus palhaço

    deus é artesão trabalha com barro   sim eu sei ele morreu nós o matamos   mas sua sombra coloniza qualquer mundo que a gente tente construir   deus é […]

    Leia mais
  • As hienas de Seu Jair (papo de quinta)

    Existem duas hipóteses, que não são excludentes, para explicar o caos permanente em que o presidente  brasileiro e sua família mantém o governo e o país.     Depois de postar […]

    Leia mais
  • De Novo: O Chile (Papo de Domingo)

    Quando a barra pesou mesmo aqui pelo Brasil, depois do AI-5, era o Chile que parecia trazer esperança de que o cerco de chumbo na América Latina poderia ser enfrentado. […]

    Leia mais
  • Pablo Capistrano
  • 17 de outubro de 2013, as 12h12

 

 

“Em 2004, tantas pessoas fizeram manifestações em Washington contra o perigo de um colapso financeiro que a polícia teve de mobilizar mais  8 mil agentes locais e convocar outros 6 mil de Maryland e da Virgínia. O que se viu em seguida foi gás lacrimogêneo,  cassetes e prisões em massa, tantas que a polícia teve de usar ônibus para o transporte. A mensagem foi alta e clara, e a polícia foi usada literalmente para sufocar a verdade”.

Slavoj Zizek

Primeiro Como Tragédia, Depois Como Farsa. São paulo: Boitempo, 2011.

 

O discurso preparado no país para justificar o fim das manifestações está em alta. Na busca de evitar que o fenômeno de Junho se repita na época da copa e atrapalhe os negócios bilionários se constroem fantasmas mascarados para justificar o uso de um direito de exclusão e rasgar a constituição do país.

Essa história já é conhecida.

O que você vai fazer sobre o assunto?


Deixe seu comentário

2007 ® Pablo Capistrano

dz3