• 15 M DIA DE LUTA

    Sou professor há vinte anos.   Perdi as contas da quantidade de disciplinas que lecionei, de provas que corrigi, de aulas que dei, de livros que li e de pessoas […]

    Leia mais
  • Cenas de uma loucura hermenêutica

      No meu tempo de adolescente (ou seja… no final do século passado) meus amigos trotskistas costumavam a contar uma piada bem curiosa sobre o período dos grandes expurgos do […]

    Leia mais
  • Contra quem eles atiram?

      Era de se esperar que isso fosse acontecer. Pela minha TL começam a desfilar uma série de depoimentos, reportagens, declarações e artigos que mostram que começamos a fazer a […]

    Leia mais
  • A eleição do não

      Parece sempre mais forte no Brasil a ideia hegeliana  de que os conteúdos não superados da história tendem a se repetir. Já tivemos Jânio, com suas vassouras; Collor o inesquecível […]

    Leia mais
  • Dançando na beira do abismo

      Uma semana após o atentado a faca sofrido pelo Deputado Jair Bolsonaro, a gente já sabe que o maluco que o esfaqueou ouvia a voz de Deus. Por isso, […]

    Leia mais
  • Pablo Capistrano
  • 31 de janeiro de 2015, as 13h13

CHINAEUA

 

“Hoje, as duas superpotências, Estados Unidos e China, são referidas cada vez como Capital e Trabalho. Os Estados Unidos estão se transformando em um país de administração de planejamento, atividades bancárias, serviços, etc.:, enquanto sua ‘classe trabalhadora em desaparição’ (com exceção dos migrantes chicanos e outros  que trabalham predominantemente no setor terciário) está ressurgindo na China, onde uma grande parcela dos produtos dos Estados Unidos, de brinquedos a artigos eletrônicos, é manufaturada em condições ideais para exploração capitalista: não há greves, a liberdade de movimento é limitada pela força de trabalho, os salários são baixos… Longe de ser apenas antagônica, portanto, a relação entre China e Estados Unidos é profundamente simbiótica. A ironia da história é que a China é mais do que merecedora do título de ’Estado da Classe Trabalhadora’: ela é o Estado da classe trabalhadora para o capital norte americano.”

ZIZEK, Slavoj. Alguém disse totalitarismo? Cinco intervenções no (mau) uso de uma noção. Tradução de Rogério Bettoni. São Paulo: Boitempo, 2013, p. 96.

 

PS:. Achei que estava lendo Jogos Vorazes. 


Deixe seu comentário

2007 ® Pablo Capistrano

dz3