• Nosso Problema Com Cascudo

    A ideia de derrubar estátuas parece que chegou a Natal e a imagem de Cascudo no memorial que leva seu nome, na Cidade Alta, apareceu como candidata a degola. Mas […]

    Leia mais
  • Zeitgeist

      Sento em um presente que não me atravessa   desse silêncio que me sopra às costas escuto os cemitérios do futuro   depois de toda essa jornada, barqueiro, chegar […]

    Leia mais
  • deus palhaço

    deus é artesão trabalha com barro   sim eu sei ele morreu nós o matamos   mas sua sombra coloniza qualquer mundo que a gente tente construir   deus é […]

    Leia mais
  • As hienas de Seu Jair (papo de quinta)

    Existem duas hipóteses, que não são excludentes, para explicar o caos permanente em que o presidente  brasileiro e sua família mantém o governo e o país.     Depois de postar […]

    Leia mais
  • De Novo: O Chile (Papo de Domingo)

    Quando a barra pesou mesmo aqui pelo Brasil, depois do AI-5, era o Chile que parecia trazer esperança de que o cerco de chumbo na América Latina poderia ser enfrentado. […]

    Leia mais
  • Pablo Capistrano
  • 31 de janeiro de 2015, as 13h13

CHINAEUA

 

“Hoje, as duas superpotências, Estados Unidos e China, são referidas cada vez como Capital e Trabalho. Os Estados Unidos estão se transformando em um país de administração de planejamento, atividades bancárias, serviços, etc.:, enquanto sua ‘classe trabalhadora em desaparição’ (com exceção dos migrantes chicanos e outros  que trabalham predominantemente no setor terciário) está ressurgindo na China, onde uma grande parcela dos produtos dos Estados Unidos, de brinquedos a artigos eletrônicos, é manufaturada em condições ideais para exploração capitalista: não há greves, a liberdade de movimento é limitada pela força de trabalho, os salários são baixos… Longe de ser apenas antagônica, portanto, a relação entre China e Estados Unidos é profundamente simbiótica. A ironia da história é que a China é mais do que merecedora do título de ’Estado da Classe Trabalhadora’: ela é o Estado da classe trabalhadora para o capital norte americano.”

ZIZEK, Slavoj. Alguém disse totalitarismo? Cinco intervenções no (mau) uso de uma noção. Tradução de Rogério Bettoni. São Paulo: Boitempo, 2013, p. 96.

 

PS:. Achei que estava lendo Jogos Vorazes. 


Deixe seu comentário

2007 ® Pablo Capistrano

dz3