• 15 M DIA DE LUTA

    Sou professor há vinte anos.   Perdi as contas da quantidade de disciplinas que lecionei, de provas que corrigi, de aulas que dei, de livros que li e de pessoas […]

    Leia mais
  • Cenas de uma loucura hermenêutica

      No meu tempo de adolescente (ou seja… no final do século passado) meus amigos trotskistas costumavam a contar uma piada bem curiosa sobre o período dos grandes expurgos do […]

    Leia mais
  • Contra quem eles atiram?

      Era de se esperar que isso fosse acontecer. Pela minha TL começam a desfilar uma série de depoimentos, reportagens, declarações e artigos que mostram que começamos a fazer a […]

    Leia mais
  • A eleição do não

      Parece sempre mais forte no Brasil a ideia hegeliana  de que os conteúdos não superados da história tendem a se repetir. Já tivemos Jânio, com suas vassouras; Collor o inesquecível […]

    Leia mais
  • Dançando na beira do abismo

      Uma semana após o atentado a faca sofrido pelo Deputado Jair Bolsonaro, a gente já sabe que o maluco que o esfaqueou ouvia a voz de Deus. Por isso, […]

    Leia mais
  • Pablo Capistrano
  • 11 de janeiro de 2016, as 16h16
David, Iggy e Lou, em algum lugar no século passado. Eles estão indo embora.

David, Iggy e Lou, em algum lugar no século passado. Eles estão indo embora.

 

11 de Janeiro de 2016.

 

 

BOWIE MORREU e eu estou aqui ouvindo, pelo youtube, seu último disco: Blackstar. No meio de tantos obituários, de repetições de obviedades sobre a genialidade de Bowie e do uso exaustivo do adjetivo “camaleônico” (ouço esse adjetivo relacionado ao finado David desde a época do Som Pop da TV Cultura nos anos 80); vi uma foto antiga, acho que dos anos setenta, em que um Bowie ainda no inicio da carreira aparecia ao lado de Lou Reed e de Iggy Pop.

 

Eles estão passando.

 

A geração de 1968 está indo embora. Eles não partem vitimados pelos seus próprios excessos suicidas, ou pelas fatalidades da vida. Simplesmente chegaram ao ponto de serem cortados do horizonte mundano pela navalha do tempo.

 

Como animais nitezscheanos, Reed, Bowie e Iggy (que ainda está na ativa neste plano do espaço-tempo) foram caminhantes do abismo. Flertaram com a morte e com a potência criativa do sexo e da loucura diversas vezes. Olharam para o lado escuro e retiraram dele substância para a arte.

 

O melhor que fizeram foi durar para morrer agora.

 

Tivessem morrido com 27 anos, ajudariam a configurar o coro dos covardes, que costuma a cobrar dos artistas uma moralidade muitas vezes incompatível com o exercício da criação.

 

Tivessem morrido com 27 anos (como muitos outros daquela geração) teriam ajudado a manter o discurso ideológico que confunde saúde com beleza e que identifica viver com durar.

 

Que bom que Bowie morreu agora.

 

Deixando no rastro de seu encantamento uma estrela negra pra mostrar a essa gente que aponta o dedo que a eternidade é a mais desconcertante invenção da arte.

 

 

 


Um Comentário para “Bowie morreu…”

  1. Viktor Vidal13/1/2016 às 5:43

    Que belo texto! Muitas dessas histórias, desses flertes com a loucura dessa turma li nas edições de “Mate-me, por favor”. Parabéns, parabéns e parabéns!!!

Deixe seu comentário

2007 ® Pablo Capistrano

dz3