• Nosso Problema Com Cascudo

    A ideia de derrubar estátuas parece que chegou a Natal e a imagem de Cascudo no memorial que leva seu nome, na Cidade Alta, apareceu como candidata a degola. Mas […]

    Leia mais
  • Zeitgeist

      Sento em um presente que não me atravessa   desse silêncio que me sopra às costas escuto os cemitérios do futuro   depois de toda essa jornada, barqueiro, chegar […]

    Leia mais
  • deus palhaço

    deus é artesão trabalha com barro   sim eu sei ele morreu nós o matamos   mas sua sombra coloniza qualquer mundo que a gente tente construir   deus é […]

    Leia mais
  • As hienas de Seu Jair (papo de quinta)

    Existem duas hipóteses, que não são excludentes, para explicar o caos permanente em que o presidente  brasileiro e sua família mantém o governo e o país.     Depois de postar […]

    Leia mais
  • De Novo: O Chile (Papo de Domingo)

    Quando a barra pesou mesmo aqui pelo Brasil, depois do AI-5, era o Chile que parecia trazer esperança de que o cerco de chumbo na América Latina poderia ser enfrentado. […]

    Leia mais

01 out

Nietzsche

  • Pablo Capistrano
  • 01 de outubro de 2017, as 6h06
Astor, Dorian. Nietzsche. Tradução de Gustavo de Azambuja Feix. Porto Alegre: L&PM, 2011

Astor, Dorian. Nietzsche. Tradução de Gustavo de Azambuja Feix. Porto Alegre: L&PM, 2011 

 

 

ASTOR, Dorian. Nietzsche. Tradução de Gustavo de Azambuja Feix. Porto Alegre: L&PM Pocket, 2011.

 

Segunda biografia de Nietzsche que eu leio. Não é tão aprofundada quanto a de Rüdigger Safranski; nem também articula de modo tão próximo os aspectos filosóficos às passagens da vida de Nietzsche, mas tem o mérito de não ser uma daquelas biografias laudatórias que enchem a paciência com uma idealização meio abobalhada do biografado. E olhe que depois que a irmã de Nietzsche assumiu o controle da obra póstuma do filosofo ela mesma se meteu a fazer uma biografia desse tipo que parece ter colonizado os textos sobre Nietzsche no começo do século passado, até que a grande disputa pela sua herança filosófica começasse pra valer.

 

No mérito a gente sente que o texto é produto de uma leitura cuidadosa de fontes primarias, muito material epistolar e trechos dos fragmentos póstumos de Nietzsche. Além o que tem esse mérito sempre presente de ser da L&PM Pocket, barato, bom de carregar no bolso e fácil de ler em filas de banco ou na parada de ônibus.

 

Vale o preço.

 

 


Deixe seu comentário

2007 ® Pablo Capistrano

dz3