• Contra quem eles atiram?

      Era de se esperar que isso fosse acontecer. Pela minha TL começam a desfilar uma série de depoimentos, reportagens, declarações e artigos que mostram que começamos a fazer a […]

    Leia mais
  • A eleição do não

      Parece sempre mais forte no Brasil a ideia hegeliana  de que os conteúdos não superados da história tendem a se repetir. Já tivemos Jânio, com suas vassouras; Collor o inesquecível […]

    Leia mais
  • Dançando na beira do abismo

      Uma semana após o atentado a faca sofrido pelo Deputado Jair Bolsonaro, a gente já sabe que o maluco que o esfaqueou ouvia a voz de Deus. Por isso, […]

    Leia mais
  • Quando a memória pega fogo

      Em 1999 eu viajei à Grécia. Era meu último ano no curso de filosofia da UFRN e queria conhecer in loco a terra em que Sócrates, Platão e Aristóteles teriam andado, […]

    Leia mais
  • O Diabo do Mercado

        Poucas coisas são mais embaraçosas na contemporaneidade, para um liberal raiz  do que a China. Explicar como é possível que o país que parece administrar de modo mais […]

    Leia mais

01 out

Nietzsche

  • Pablo Capistrano
  • 01 de outubro de 2017, as 6h06
Astor, Dorian. Nietzsche. Tradução de Gustavo de Azambuja Feix. Porto Alegre: L&PM, 2011

Astor, Dorian. Nietzsche. Tradução de Gustavo de Azambuja Feix. Porto Alegre: L&PM, 2011 

 

 

ASTOR, Dorian. Nietzsche. Tradução de Gustavo de Azambuja Feix. Porto Alegre: L&PM Pocket, 2011.

 

Segunda biografia de Nietzsche que eu leio. Não é tão aprofundada quanto a de Rüdigger Safranski; nem também articula de modo tão próximo os aspectos filosóficos às passagens da vida de Nietzsche, mas tem o mérito de não ser uma daquelas biografias laudatórias que enchem a paciência com uma idealização meio abobalhada do biografado. E olhe que depois que a irmã de Nietzsche assumiu o controle da obra póstuma do filosofo ela mesma se meteu a fazer uma biografia desse tipo que parece ter colonizado os textos sobre Nietzsche no começo do século passado, até que a grande disputa pela sua herança filosófica começasse pra valer.

 

No mérito a gente sente que o texto é produto de uma leitura cuidadosa de fontes primarias, muito material epistolar e trechos dos fragmentos póstumos de Nietzsche. Além o que tem esse mérito sempre presente de ser da L&PM Pocket, barato, bom de carregar no bolso e fácil de ler em filas de banco ou na parada de ônibus.

 

Vale o preço.

 

 


Deixe seu comentário

2007 ® Pablo Capistrano

dz3