• 12 Diários de Quarentena 03/04/20

      Consegui um tempo para traduzir um poema de Bertold Brecht. Chama “Os amantes” (Die Liebenden) OS AMANTES Vê, aquelas aves negras voando em grandes arcos! As núvens com as […]

    Leia mais
  • 11 Diários da Quarentena 02/03/20

      Terminei o dia animado e com muita esperança apesar de todas as notícias. Duas delas me encheram de fé – a notícia que circulou em alguns sites de comentários […]

    Leia mais
  • 10 Dários da quarentena 01/03/20

    Hoje, o grupo Carmin de teatro (do qual sou dramaturgo) teve sua reunião de ensaio da peça nova por uma plataforma digital de reinuões. Fizemos uma leitura do texto novo […]

    Leia mais
  • 9 Diários da quarentena 31/03/20

    Hoje, caminhei um pouco pela rua em frente aqui de casa.   A grande conjunção Jupiter, Saturno, Marte (Plutão está na jogada mas não dá pra ver) estará visível hoje […]

    Leia mais
  • 8 Diários de Quarentena 30 03 2020

    Hoje, conversei longamente pelo watsapp com meu amigo de mais de 30 anos que mora em Zurich, Alberto Cabral. Ele viajou pra lá no final dos anos 90.   Também […]

    Leia mais
  • Pablo Capistrano
  • 23 de outubro de 2017, as 8h08
Memórias do Subsolo: texto publicado dois anos antes de Crime e Castigo, mas que já antecipa a dicção existencialista de Dostoiévski em todo seu vigor

Memórias do Subsolo: texto publicado dois anos antes de Crime e Castigo, mas que já antecipa a dicção existencialista de Dostoiévski em todo seu vigor

 

 

DOSTOIÉVSKI, Fiódor. Memórias do Subsolo. Tradução de Irineu Franco Perpetuo. São Paulo: Mediafashion/Folha de São Paulo, 2016.

 

 

É realmente espantoso que uma geração tenha dado ao mundo um Marx, um Kierkegaard e um Dostoiévski. Difícil imaginar o século XX sem a presença marcante dessas figuras, mesmo que tenham vivido sua vida no coração do século XIX. Chego a pensar que encarnar nesse planeta depois da morte de Dostoiévski e não ler nenhum livro dele é como vir ao mundo depois de Beethovem e nunca ouvir de cabo a rabo a nona sinfonia. Talvez a única desculpa para não ler um Dostoiévski pode ser a da ausência de boas traduções (sempre um problema para a literatura escrita em língua estrangeira e que pode simplesmente destruir a apreensão de um escritor em um idioma que não é o seu idioma literário natural). No caso dessa edição da Coleção “Grandes Nomes da Literatura” esse não parece ser um problema. Não conheço nada de russo mas a tradução de Irineu Franco Perpetuo, direto do original, e não de uma segunda mão francesa ou inglesa, parece acertar ao dar uma dimensão de intensidade e vigor ao texto de Dostoiévski que eu, particularmente, não encontrei em outras edições das obras do escritor. É espantoso como o tradutor consegue oferecer, servido no prato da língua portuguesa, a velocidade e o ritmo da leitura sem perder a densidade e o vigor dos abismos psicológicos desse texto curto, publicado dois anos antes de Crime e Castigo, e que é considerado por alguns como o “primeiro texto existencialista da história”. No curso da leitura dá pra sentir, de maneira quase táctil, a influência da dicção de Dostoiéviski em Fernando Pessoa, Nelson Rodrigues e mesmo, no caso desse livro específico, em obras de Jack Kerouack, como Tristessa e, mais intensamente: “Subterrâneos” (uma referência clara que o autor beat faz ao mestre russo). A edição é de capa dura, mas como o texto é curto, é boa de manusear, se você é daqueles que, como eu, tem uma relação física com os livros que lê. Vale muito o preço.

 

 

 

 


Deixe seu comentário

2007 ® Pablo Capistrano

dz3