• 12 Diários de Quarentena 03/04/20

      Consegui um tempo para traduzir um poema de Bertold Brecht. Chama “Os amantes” (Die Liebenden) OS AMANTES Vê, aquelas aves negras voando em grandes arcos! As núvens com as […]

    Leia mais
  • 11 Diários da Quarentena 02/03/20

      Terminei o dia animado e com muita esperança apesar de todas as notícias. Duas delas me encheram de fé – a notícia que circulou em alguns sites de comentários […]

    Leia mais
  • 10 Dários da quarentena 01/03/20

    Hoje, o grupo Carmin de teatro (do qual sou dramaturgo) teve sua reunião de ensaio da peça nova por uma plataforma digital de reinuões. Fizemos uma leitura do texto novo […]

    Leia mais
  • 9 Diários da quarentena 31/03/20

    Hoje, caminhei um pouco pela rua em frente aqui de casa.   A grande conjunção Jupiter, Saturno, Marte (Plutão está na jogada mas não dá pra ver) estará visível hoje […]

    Leia mais
  • 8 Diários de Quarentena 30 03 2020

    Hoje, conversei longamente pelo watsapp com meu amigo de mais de 30 anos que mora em Zurich, Alberto Cabral. Ele viajou pra lá no final dos anos 90.   Também […]

    Leia mais
  • Pablo Capistrano
  • 07 de março de 2018, as 5h05

Revolução Russa

 

 

 

 

 

 

 

 

FITZPATRICK, Sheila. A revolução russa. Tradução de Susana Sousa e Sllva. Lisboa, Tinta da China: 2017.

 

Em meio a tanta bobagem dita e escrita pelas redes sociais sobre a revolução russa, e diante de tanta subliteratura historiográfica posta à nossa disposição, travestida com os rigores da ciência para esconder a mera histeria ideologica, achar um livro como de Sheila Fitzpatrick, historiadora australiana e professora da universidade de Sidney, especialista em história moderna da Rússia, é um alívio. Escrito em um estilo direto e sem muitos arrodeios, o texto de Fitzpatrick aborda um recorte de mais ou menos 30 anos, que vai dos acontecimentos de Fevereiro de 17, até os grandes expurgos stalinistas de 1937 e 1938. A primeira versão do texto foi redigida no verão de 1979, mas teve duas edições posteriores, uma em 1993 e outra em 2008. Sem querer cometer o vexame epistémico de defender uma suposta neutralidade do historiador ou algum apego à ideia de existência de fatos históricos imunes a interpretação, penso que o texto da professora australiana é um dos mais equilibrados que eu li sobre o assunto. Evita, com aquela elegância empírica da tradição anglo-saxã, sem se tornar um mero relatório de datas e acontecimentos, os riscos comuns que envolvem, ainda hoje, qualquer leitura da revolução de 17 (certamente o evento político mais significativo e marcante do século XX). Sem cair nem na demonização hiperbólica dos “comunofobos” militantes, nem na idealização ingênua dos revolucionários mais românticos, o livro usa uma chave hermenêutica extraída do trabalho de Crane Brinton sobre a revolução francesa, para narrar a história da revolução russa a partir de fases que vão do fervor revolucionário intenso até o desânimo e o cansaço que leva a um restabelecimento da ordem. Não sei se tem alguma edição brasileira recente. Essa eu consegui no Porto, na livraria Lello. Mesmo assim vale a pena procurar por aqui, pra quem tem interesse em compreender melhor as facetas da revolução de 1917 e se posicionar de modo seguro longe da quantidade ululante de baboseiras repetidas ao extremo (inclusive por professores de história) pelas veredas dessas redes sociais. Hoje, nesse tempo em que o “idiota da aldeia” é considerado autoridade intelectual em qualquer assunto (como disse certa vez o finado Umberto Eco) estou, mais do que nunca, convencido que o último refúgio contra a escuridão ainda é (e será por muito tempo) a biblioteca. Vale o preço.


Deixe seu comentário

2007 ® Pablo Capistrano

dz3