• Zeitgeist

      Sento em um presente que não me atravessa   desse silêncio que me sopra às costas escuto os cemitérios do futuro   depois de toda essa jornada, barqueiro, chegar […]

    Leia mais
  • deus palhaço

    deus é artesão trabalha com barro   sim eu sei ele morreu nós o matamos   mas sua sombra coloniza qualquer mundo que a gente tente construir   deus é […]

    Leia mais
  • As hienas de Seu Jair (papo de quinta)

    Existem duas hipóteses, que não são excludentes, para explicar o caos permanente em que o presidente  brasileiro e sua família mantém o governo e o país.     Depois de postar […]

    Leia mais
  • De Novo: O Chile (Papo de Domingo)

    Quando a barra pesou mesmo aqui pelo Brasil, depois do AI-5, era o Chile que parecia trazer esperança de que o cerco de chumbo na América Latina poderia ser enfrentado. […]

    Leia mais
  • O Novo Normal (Papo de quarta)

    No tempo em que eu era aluno da UFRN, o meu orientador, o professor Glenn Walter Erickson, vez ou outra dizia nos nossos encontros sobre filosofia política: “Pablo, todo marxista […]

    Leia mais
  • Pablo Capistrano
  • 27 de setembro de 2019, as 14h14

Uma das coisas positivas que a gente pode extrair dessa última semana de setembro de 2019, é que parece que há sinais de uma reação contra as monstruosidades que nos acostumamos ouvir pela esfera pública, nos últimos tempos.

 

A demissão de um comentarista Potiguar, que disse em uma rádio que a sueca Gretha Thunberg era uma  “vagabundinha histérica” que fazia greve e que “precisava de sexo”, mostra que ainda há limites morais para o discurso público.

 

Isso é um sinal auspicioso para os que combatem diuturnamente o bolsonarismo.

 

Afinal, uma das intenções desse movimento neo-fascista, que ameaça tomar conta do Brasil, é justamente a de explodir todos os limites da nossa moralidade discursiva, empurrando os limites da fala pública aos extremos.

 

As subjetividades autoritárias, alçadas a categoria de comentaristas políticos, ministros de Estado ou simples porta vozes ideológicos do novo governo, atuam, nesse sentido, meio que como clones digitais do presidente que elegeram.

 

Eles falam coisas monstruosas, agressivas, revoltantes e inadmissíveis. Destilam um tipo escatológico e brutal de retórica primitiva que, em circunstancias normais de temperatura democrática, seriam impensáveis de serem ditas em público sem uma forte reação da comunidade de falantes.

 

Quando fala, o bolsomínio típico, a espelho do seu “mito”, na verdade procura emitir aos demais seres humanos que partilham com ele da mesma esfera pública, uma mensagem de poder.

 

Quando nada acontece com o emissor desse tipo de monstruosidade retórica, quando não há reação moderadora por parte da comunidade de fala, o bolsomínio militante reforça para si e para os outros a mensagem: “Vejam como eu sou foda. Vejam como eu sou poderoso. Falo o que eu quiser. Sou superior a vocês. Posso tudo”.

 

Foi com  base nessa estratégia que o atual ocupante do palácio do Planalto fez toda sua carreira política.

Ser desagradável, monstruoso, irritante e completamente sem noção do que diz no exercício do cargo que ocupa, parece ser um pré-requisito essencial para fazer parte do governo Bolssonaro. Do ministro da economia ao da educação, todo mundo que se aproxima desse governo parece se esforçar para repetir o padrão do “mito” que escolheram como presidente.

 

Sim…. Claro, ofender mulheres é uma outra característica da turba.

 

Da primeira dama da França, passando por Fernanda Montenegro (nossa maior atriz e referência fundamental da cultura nacional) até a jovem sueca ativista do clima, a horda bolssonarista, por convicção, distúrbio ou simples malcaratismo, atua para corroer as bases mínimas de educação e bom senso discursivo, compartilhadas pela nossa moralidade pública.

 

Por isso, a reação que se seguiu aos comentários do advogado potiguar na 96 FM e depois na TV Tropical, foram tão importantes.

 

Reestabelecer a civilidade no discurso público no país, reconstruir as bases de um contrato social que nos permita reconstruir o diálogo e salvar o que resta da nossa parca democracia, implica reagir com veemência a esse tipo pilantragem fascistoide.

 

Essa é uma das inúmeras trincheiras que os que resistem a vaga autoritária precisam cavar para montar a tão falada resistência.

1 Comentário
  • Pablo Capistrano
  • 19 de setembro de 2019, as 14h14

Talvez eu seja um dos poucos nordestinos que podem ser classificados como “de esquerda” que não viu ainda Bacurau.

 

E não vi, não porque não gostaria de ver, mas sim pelo motivo de “quarentena doméstica causada por bebê de quatro meses em casa”.

 

Por isso não tenho como escrever nada sobre o filme em si enquanto ele não baixar pela telinha nos canais a cabo ou no streaming.

 

Apesar disso, pelo que li de críticas e ouvi de pessoas que foram ao cinema, Bacurau me soa como uma versão sertaneja de Django Livre ou de Bastardos Inglórios, de Quentin Tarantino (hipótese que ainda preciso confirmar).

 

Por enquanto, o que mais tem me chamado atenção nas polêmicas em torno do filme é o que elas parecem mostrar sobre os sentidos da revolta no Brasil e o modo como lidamos com a violência.

 

Pra começo de conversa parto de um pressuposto partilhado por Slavoj Zizek de que o cinema não representa nossos sonhos e conteúdos psicológicos mais secretos. Ele produz esses sonhos e configura esses conteúdos.

 

Como não pensar, por exemplo, que durante anos, o cinema norte americano construiu o ataque às torres gêmeas no onze de Setembro, com um sem número de filmes catástrofe ,em que a fantasia coletiva de uma nova York destruída ganhava forma na tela do cinema para o deleite pervertido de uma audiência fascinada?

 

Como não imaginar o típico Redneck morador do Bible Belt (Cinturão da Bíblia) no sul dos Estados Unidos, que tem aquele ódio informe e pouco nítido em relação a tudo o que a liberal Nova York representa, assistindo o noticiário sobre a queda das torres do World Trade Center, sentido que a fantasia criada por Hollywood finalmente ganhava vida?

 

Penso que algo semelhante ocorre com o Brasil no que diz respeito a violência da revolta.

 

Há um mito nacional que afirma que somos homens cordiais (de cardio, coração). Penso que somos muito mais um povo cozinhado em fogo brando por séculos de violência e opressão, do que um tipo de bicho emotivo, como o racismo cultural conservador costuma a pintar.

 

É muito difícil para qualquer estrangeiro atento que venha ao Brasil, não se espantar em como uma ampla maioria da população pode ser submetida diariamente a uma quantidade tão miserável de aberrações e violências de toda sorte, e  não se revolte com uma energia brutal, afogando esse país em sangue e fúria.

 

Explicar a servidão voluntária do brasileiro passa por entender como a violência cotidiana é uma força conservadora no país.

 

E aí vai só uma especulação de quem quer ver o filme e ainda não viu (mas que conhece a obra de Kleber Mendonça Filho desde o sinistro “Vinil Verde”): talvez seja justamente por essa paradoxal confluência de violências que estruturam a sociedade brasileira que Bacurau seja tão polêmico e politicamente controverso.

 

No Brasil, dar uma forma narrativa e imagética ao desejo mal formado de um povo por um banho de sangue redentor, que desmonte a violência estruturante e a troque por uma violência divina, é um risco estético, muito empolgante para aqueles que gostam de caminhar no fio da espada.

E como diz a sabedoria judaica: “viver é como caminhar no fio de uma espada. Do lado esquerdo está o mundo dos mortos. Do lado direito está o mundo dos mortos. A  vida anda no meio.”

Comente
  • Pablo Capistrano
  • 14 de maio de 2019, as 16h16

Sou professor há vinte anos.

 

Perdi as contas da quantidade de disciplinas que lecionei, de provas que corrigi, de aulas que dei, de livros que li e de pessoas que passaram diante de mim dentro de uma sala de aula. Não sou bom em decorar números, não sei produzir gráficos ou estatísticas, nem entendo muito de porcentagem (talvez um pouco mais do que o atual ministro Weintraub). Deixo as discussões técnicas sobre o orçamento federal para os especialistas em pedagogia e para os gestores, que põe diuturnamente a máquina da educação para rodar no Brasil.

 

Meu negócio é estudar, aprender e ensinar.

E o que eu aprendi nesses vinte anos (dez como professor da rede federal de ensino) é que educação é alquimia. É um processo fascinante de transformação da matéria bruta em um fluído sutil que é feito da mesma natureza de que são feitos os sonhos.

 

E os sonhos são os instrumentos que constroem o futuro.

 

Não teria sinceramente como dizer aqui em poucas linhas tudo que eu vi acontecer nos dez últimos anos como professor do IFRN (a escola onde fiz meu ensino médio no século passado e em que hoje estuda minha filha). O que vi, vi como professor, olhando no olho de meus alunos, escutando suas vozes, interpretando seus discursos, lendo seus textos em folhas de papel, vendo seus projetos de pesquisa serem apresentados mundo afora, seus gritos de torcida na abertura dos eventos esportivos, seu engajamento nos eventos da escola, sua alegria radiante nos dias de formatura.

 

Ser professor é estar ao lado, caminhar junto, ajudar a carregar o peso de crescer.

 

A escola é um veículo. Uma ferramenta. Um meio que permite que essa transmutação alquímica aconteça.

 

Minha escola não é perfeita porque é real. E só por ser real carrega em si todas as contradições do mundo. Mas junto a essas contradições ela cria condições para que milhares de jovens, Brasil a fora, possam esculpir o futuro com a matéria de seus sonhos.

E isso, amigo velho, custa dinheiro (que no campo da educação não é gasto, é investimento).

 

Mas não é só dinheiro, custa também um esforço monstruoso por parte de quem sustenta essa instituição chamada escola pública, para que as condições de trabalho de seus servidores e a qualidade da experiência pedagógica de seus alunos não se dissolva na vala comum da imensa carência coletiva a que é criminosamente submetido o povo brasileiro.

 

Por isso, diante de um governo cuja a arte mais refinada parece ser a da destruição total e que a maior estratégia é a de se esconder atrás de uma muralha de ignorância ideológica, regada em redes subterrâneas de  fake news, a única coisa que posso dizer, para diminuir a ansiedade e ajudar a dissolver um pouco a angústia que vejo no rosto de meus alunos  é: não caiam na armadilha da felicidade. Não se deixem prender a ilusão do conforto.

 

Acreditar que a vida seja alguma outra coisa que não luta radical, forte e constante é um caminho sem volta para a depressão e o ressentimento.

 

Nessa distopia pós apocalíptica em que querem transformar o Brasil o sinal da mais impiedosa revolta é fazer arder intensamente o afeto da esperança.

 

Aquilo que não nos mata, nos faz mais fortes.

Vocês não estão sozinhos.

 

 

DIA 15 DE MAIO: 15 HORAS EM FRENTE AO MIDWAY

 

 

#TiraAMãoDaMinhaEducação

#TiraAMãoDoMeuIF

 

Comente
  • Pablo Capistrano
  • 07 de abril de 2019, as 5h05

 

No meu tempo de adolescente (ou seja… no final do século passado) meus amigos trotskistas costumavam a contar uma piada bem curiosa sobre o período dos grandes expurgos do stalinismo.

 

Um certo dissidente do regime havia sido condenado num dos julgamentos de Moscou e mandando para um Gulag(o que de certo modo denotava alguma sorte, afinal, a outra alternativa seria a execução sumária). Lá chegando, o sujeito encontrou dois camaradas já alojados em sua cela. Intrigado, ele pergunta ao primeiro camarada: “por que você foi condenado?”. O camarada responde: “porque eu sempre chegava atrasado às reuniões do partido”. Mantendo a curiosidade o dissidente interpela: “mas qual a acusação?”. O sujeito então responde sem rodeios: “sabotagem”. Voltando-se para o segundo camarada o dissidente faz a mesma pergunta e obtém a seguinte resposta: “estou aqui porque sempre chegava adiantado nas reuniões do partido. Acusação: entusiasmo revolucionário excessivo”. Diante do espanto do dissidente os dois camaradas, já veteranos naquela cela de Gulag, devolveram o questionamento: “E você, camarada? Por que está aqui?”. O dissidente suspirou e respondeu: “Porque eu sempre chegava na hora nas reuniões do partido”. Acusação? – “Conformismo pequeno burguês”.

 

Na verdade há um farto conjunto de piadas desse tipo sobre o período stalinista que vão no mesmo sentido. Todas mostram um traço fundamental de qualquer modelo totalitário, que pode funcionar tanto para a inquisição ibérica dos séculos XV e XVI, quanto para o objetivismo modernista dos regimes autoritários do século XX: a ideia de que qualquer traço de comportamento externo pode ser interpretado como o sinal do seu oposto e de que não importa o que você faça, você sempre será suspeito de alguma coisa que você não fez.

 

A loucura hermenêutica que nasce da quebra de todos os parâmetros fixos de interpretação da conduta alheia e das interações humanas, está na base da paranoia total dos regimes totalitários e, em certo sentido, diz muito mais sobre os expurgos stalinistas do que algumas platitudes interpretativas acerca da “monstruosidade dos tiranos” e da “opressão dos cidadãos pelo Estado”. Uma loucura hermenêutica desse tipo fica muito evidente quando, em 1940, Nicolai Iejov, o principal carrasco de Stálin, acusado de executar injustamente milhares de bolcheviques inocentes, foi, ele mesmo, executado! No fim das contas, a execução de Iejov indicava algo de bastante sintomático, bem típico do regime stalinista: quanto mais perto do poder, mais insegura era a condição do indivíduo.

 

Ao contrário da estrutura do totalitarismo nazista, no qual o “princípio do Fūher” atuava como um elemento estabilizador diante do permanente conflito de grupos e forças antagônicas dentro do partido nacional socialista, o militante bolchevique no tempo de Stálin estava sempre posto diante da possibilidade de ser acusado daquilo que costumava a acusar os outros, porque, afinal, não há ninguém mais suspeito de fazer algo errado do que os que se esforçam pra fazer tudo certo.

 

Hoje, depois de ler um bocado sobre o assunto,  apesar dos esforços e da boa vontade de meus amigos trotskistas em colocar nos ombros do camarada Stálin todo o ônus pelo terror revolucionário, sei que os expurgos já eram uma prática usual bem antes da morte de Lênin.

 

Em 1921, ainda durante o período da sangrenta guerra civil que se seguiu a revolução de Outubro, os julgamentos sumários entre os bolcheviques já eram aplicados em larga escala. A questão é que eles não tinham ainda, como regra geral, a eliminação física da dissidência como nos períodos dos julgamentos de Moscou. Seus efeitos geralmente circulavam em torno de um rebaixamento na posição dos militantes na hierarquia do partido ou mesmo o ostracismo e a expulsão, a não ser, é claro, nos casos de traição ou sabotagem que envolviam o cenário das operações militares contra os exércitos brancos no palco da guerra que se estendeu até 1922.

 

Outro aspecto interessante que se manteve posteriormente no tempo dos expurgos eram as longas sessões de autocrítica. Reuniões coletivas em que os membros do partido  eram obrigados a confessar publicamente  seus crimes contra revolucionários, seus erros exegéticos ou equívocos nas análises de conjuntura. Essas sessões muitas vezes faziam eco às encenações teatrais farcescas dos julgamentos públicos no tempo da Inquisição ibérica, retratados de maneira espantosa por Francisco de Goya em suas pinturas.

 

Apesar disso, meus amigos trotskistas podem objetar que foi apenas em Maio de 1936, após Stálin enviar à cúpula partidária uma “carta secreta” detalhando atividades de sabotadores e de “inimigos do povo” que colaborariam em segredo para preparar a invasão do “inimigo nazi-fascista”; que o chamado “Grande terror” começou a se consolidar. Tal qual um mecanismo de purgação interna, a checagem da moralidade e da pureza ideológica dos membros do partido transformou-se num ato de irracionalidade política generalizada. O terror dos expurgos acabou levando à morte centena de milhares de militantes bolcheviques, na sua maioria funcionários exemplares e militares experientes que não apenas tinham ajudado a consolidar a revolução de Outubro como também haviam sido fundamentais no esforço de guerra que derrotou os exércitos brancos em sua aliança com um consórcio de forças internacionais que buscavam sufocar a revolução ainda no nascedouro.

 

Aqui é importante dizer uma coisa para você que sempre viveu em ambiente mais ou menos democrático: em sistemas autoritários o combate à dissidência ou à subversão (como ocorria no tempo do regime militar brasileiro) tinha muito mais a ver com o discurso público do que com o domínio das crenças privadas dos indivíduos. Quem perturbava o bom funcionamento do discurso público, dizendo de uma maneira ou de outra aquilo que no íntimo todos já sabiam, era bem mais perigoso para o regime do que aqueles que apenas fingiam acreditar no modelo. O curioso é que é justamente nesse ponto, de hipocrisia pública compartilhada, onde reside o fracasso da dominação stalinista se comparada aos mecanismos ideológicos dos modelos liberais capitalistas. Se, no íntimo, a maioria absoluta dos que viveram sobre algum tipo de ditadura stalinista sabiam que eram vigiados e tinham de fingir publicamente que eram livres em um esforço constante de se livrar da loucura hermenêutica coletiva que o terror de todos contra todos impunha, num universo liberal capitalista, em seu modelo turbinado pelas redes digitais, todos acreditam piamente que são livres enquanto se expõem constantemente em público de modo compulsivo, escancarando a vida privada em fotos, vídeos e comentários de Facebooka fim de serem mais eficazmente vigiados, monitorados e condicionados.

 

Talvez isso explique o porquê da necessidade do uso massivo de milhares de agentes secretos da Stasi(polícia política da Alemanha Oriental) para vigiar a própria população no tempo da guerra fria. A inadequação do alemão oriental médio à ideologia dominante do regime durante o período comunista exigia um esforço operacional muito maior por parte do sistema repressivo para se construir um mecanismo eficaz de controle social do que o modelo posto no lado ocidental capitalista. É por isso que, não importa se você é trotiskista, gramisciano ou stalinista de carteirinha, se há uma lição que o fracasso dos modelos de socialismo realmente existente legaram à posteridade foi a noção de que é muito mais fácil dominar uma sociedade que pensa que é livre do que uma que sabe que é presa.

 

Uma outra estranheza que precisa ser melhor compreendida para aqueles que se aventuram a estudar, sem o ranço neurótico de alguma doutrina política particular, é que durante a loucura dos expurgos stalinistas e dos julgamentos de Moscou, era possível notar algumas discrepâncias em relação ao seu modelo original: o grande terror revolucionário que acometeu a França no esteio da revolução de 1789.

 

A lógica do terror revolucionário, no seu modelo clássico francês, foi bem explicado por Danton como uma espécie de “ação preventiva”. A ideia era de que seria preciso que fossemos “(…) terríveis para que o povo não seja obrigado a sê-lo”. Nesse sentido a violência do terror ganhava uma dupla função: por um lado serviria para consolidar o carater “missionário” da ação revolucionária, embebida na ideia de uma missão redentora que salva as massas do ônus da violência ao aplicá-la contra a própria comunidade; por outro, ganharia uma função contrarrevolucionária usada para impedir que a “violência divina” da turba continuasse a ser empregada permanentemente, impedindo que qualquer nova ordem surgisse do caos original da revolução.

 

Nenhum desses dois aspectos se aplicam de maneira automática aos expurgos de Stálin por dois motivos básicos: (1) eles ocorreram em um período de relativa estabilidade, quando os momentos mais conturbados da guerra civil já haviam passado e os distúrbios causados pela aplicação da “Nova Política Econômica” de Lênin já estavam arrefecendo; (2) o resultado do terror além dos aproximadamente 680.000 executados e 1.570.000 presos em Gulags foi um caos total na economia, um desmantelamento completo da estrutura administrativa, burocrática e militar soviética que não contribuiu em nada para a consolidação de uma ordem comunista. Na verdade, os expurgos quase causaram o fim do regime quando a URSS foi invadida pelas tropas de Hitler.

 

Hoje, 82 anos após a circulação da sinistra “carta secreta” de Stálin que abriu as portas para a grande loucura hermenêutica dos expurgos, dizimando a sociedade soviética e o partido bolchevique, os significados profundos desse fenômeno ainda precisam ser melhor compreendidos. A dificuldade é que essa tarefa só se completará no dia em que alguém conseguir ler os expurgos bem longe das reduções interpretativas e doutrinarias que povoam tanto o imaginário dos que se dizem de esquerda quanto dos que se identificam como de direita, o que é uma tarefinha bem complicada, para não dizer impossível, em um momento de polarização política como o nosso, diga-se de passagem.

 

O importante é que, quem se aventurar nesta odisseia de pensamento político, que implica em entender, muito longe das reduções doutrinárias, a experiência dos expurgos de Stálin, nunca esqueça a dica de Hannah Arendt, ao mergulhar na experiência do totalitarismo nazi-fascista: compreender, não é perdoar.

Comente
  • Pablo Capistrano
  • 18 de outubro de 2018, as 7h07

 

Era de se esperar que isso fosse acontecer. Pela minha TL começam a desfilar uma série de depoimentos, reportagens, declarações e artigos que mostram que começamos a fazer a transição entre o discurso e ação. A violência estrutural que mantém o sistema de exclusão e opressão funcionando no Brasil cobra seu preço e depois que o mestre autorizou com seu discurso a violência redentora, que limparia as impurezas do Brasil, seus discípulos começam uma perigosa “passagem ao ato” com xingamentos, ameaças, violência física, armas apontadas, suásticas marcadas nos corpos de suas vítimas e facadas pelas costas.

 

Não adianta o candidato do PSL, em sua versão “bolsinho paz e amor” tentar diminuir a própria responsabilidade pela nuvem sinistra de violência que se anuncia. Seu gesto de campanha, fazendo sinal de tiro, mais até do que seu discurso de apologia a tortura e ao assassinato, atua como uma autorização direcionada à seus discípulos. A força simbólica desse ato de violência libera os conteúdos selvagens reprimidos pela moralidade pública e, em um contexto de descrença, medo e raiva, são como gasolina em um incêndio anunciado. Sim, os discípulos do mestre podem atirar. Mas contra quem eles atiram?

 

A julgar pelos depoimentos que começam a pipocar em nosso cotidiano, e pelos relatos que surgem das mais variadas fontes, o alvo estão definidos: mulheres (que parecem feministas), pessoas (que parecem homossexuais ou transgeneros), jovens (que parecem esquerdistas ou petistas), professores (que parecem doutrinadores comunistas), intelectuais e artistas (que parecem parasitas do dinheiro público financiados pelo Estado), negros e pobres (que parecem os bandidos que te assaltam na esquina).

 

Nesse sentido o direito de emitir o julgamento sobre o mal que precisa ser exterminado é transferido para “o soldado do capitão”, o discípulo do mestre, o adepto do messias que vai decidir, na rua, quem deve ser o alvo dos tiros que vão “salvar o Brasil”.

 

No futuro, quando os historiadores fizerem um apanhado desses anos conturbados, não poderão eximir muitos agentes da culpa pelo que se anuncia. A esquerda por suas falhas estratégicas, inconsistências programáticas e transigência com a corrupção; a centro direita pelo seu golpismo irresponsável, O poder Judiciário, que abriu mão da fidelidade aos princípios civilizatórios do direito moderno para patrocinar uma destruição do sistema político, rasgando sem nenhuma cerimônia o pacto constitucional de 1988. Também as redes de TV pela sua cantilena ideológica cotidiana, que entre imagens de canos de esgoto, de prisões cinematográficas, denuncias e delações lidas no horário nobre, enfiou goela abaixo do Brasil mantra ideológico de que “a culpa é do PT”, “a culpa é do PT”, “a culpa é do PT”…

 

No mesmo saco vão os liberais de fachada. Jornalistas, radialistas, intelectuais, acadêmicos e cientistas políticos que por má fé ou leniência jogam seu liberalismo de sovaco na cova rasa dos covardes. Sim… claro. Como não podemos esquecer dos cristãos de araque. Os hipócritas que vomitam o evangelho de um Jesus que mata, prende e esfola. Um Jesus que não acolhe, que exclui, que humilha e apedreja ao invés cobrir de amor aqueles que sofrem. Sempre que eu vejo um desses renascidos antenado com o discurso do falso messias do PSL, lembro da frase que diz: “o último cristão morreu na cruz” e fico imaginando em que bases hermenêuticas e teológicas esse povo se inspira para validar esse tipo de barbárie?

 

Em um país em transe, atravessamos esse segundo turno das eleições de 2018 sabendo que os monstros estão soltos e que a cadela do fascismo já deu cria nas ruas do Brasil.

Comente

2007 ® Pablo Capistrano

dz3